segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Contos eroticos - Fui estuprada pelos Policiais

Contos eroticos - Fui estuprada pelos Policiais

 

 Estava em casa e saí rapidamente para comprar um lanche, como não era próximo fui de carro. Como estava quente, estava de vestidinho curtinho e um saltinho. Quando estava passando por uma avenida meio escura havia uma blitz, eu fiquei tranquila, já que ando sempre certinha (documentação). O guarda me parou, imaginei que por causa do insulfme escuro do carro. Ele gentilmente me pediu a documentação, sem tirar os olhos do meu decote. Dei uma risadinha como quem diz, estou corretíssima, um minuto. Abri a bolsa e fiquei gelada, minha carteira com os meus documentos não estavam ali, como tinha saído na noite anterior e trocado de bolsa devo ter deixado na outra. Virei para o policial, muito sem graça e informei o ocorrido. Desta vez foi ele quem sorriu para mim, e pediu para que eu desligasse o carro, deixasse as chaves e descesse. Tentei desenrolar, falando que eu até tinha um dinheirinho. Ele perguntou, esta tentando me subornar ? Eu roxa de vergonha expliquei que não. Percebi que as viaturas já haviam sido retiradas na pista, e tinham uns 4 policiais olhando para mim, para o meu decote e para as minhas pernas grossas junto com o meu bumbum arrebitado. Um inclusive mordeu os lábios quando me viu. Fiquei com medo, alem de que estava escuro e pelo horário meio deserto. Ele pediu que caminhasse e o acompanhasse para me levar para o Sargento. Olhei para trás e um dos policiais entrou no meu carro gritando? vou encostar o carro dela para não ocorrer um acidente. Eu já não sabia o que pensar então o Sargento, um homem grande até bonito (em outra ocasião) ouviu toda a história e eu gelada. Então ele me disse: Suborno mocinha, você devia ter vergonha. Vou precisar te revistar. Eu sorri para ele e disse: Eu estou sem nada, nem tem como eu esconder alguma coisa. Ele: - Esta resistindo? Olhei para trás e todos os policiais estavam me olhando. Estávamos embaixo de uma arvore grande, aonde fazia mais sombra e perto de uma viatura. Ele: - Agora eu quero que você coloque as duas mãos no capô da viatura. Eu:- Vocês não podem me revistar, eu sou mulher. Apenas uma policial mulher pode me revistar !! Quando acabei a frase um policial me pegou pelos cabelos e me levou para o capô da viatura. Coloquei as mãos no capô, e estava desesperada, não sabia o que fazer. Olhei de relance para a pista e não havia ninguém passando. Senti o choro querendo sair. O sargento veio em minha direção e colocou as mãos no meu ombro, deslizando pelos meus braços, e cochichou no meu ouvido (- O que você esta escondendo ? Eu vou achar tudinho !). Colocou as duas mãos nos meus peitos (que são fartos) e apertou. Em reação tentei tirar as mãos dele de mim e me virar. Dois policiais cada um de um lado seguraram minhas mãos e me mandaram ficar quieta. Ele se agachou e colocou a mão em meus tornozelos e veio subindo por minhas pernas levantando o meu vestido. Ouvi eles se deliciando com a cena da minha calcinha toda enfiada na bunda, já que mesmo meio gordinha nunca usei calcinha grande. Ouvi um deles falando baixinho gostosa. Eu comecei a chorar, imaginei o que estava por vir, não sabia que seria pior. O sargento rui alto e falou: - Agora vou ver se tem alguma coisa aí. E novamente colocou as mãos em meus tornozelos só que na parte interna das minhas coxas subiu chegando na minha bucetinha, mesmo nervosa do jeito que estava senti um arrepio. Eles ouviram a minha respiração e um deles falou: - Olha, olha temos uma vadiazinha. Uma puta classuda. O Sargento puxou a minha calcinha e colocou sem pena dois dedos dentro de mim e gargalhou: - Meninos, a puta esta molhadinha. Traz o material aí... E continuou, senti seus dedos procurando meu grelinho e então me empurrou para deitar no capô me deixando completamente à mostra. Achou o meu grelinho e ficou mexendo nele, eu não sabia mais, meu corpo falava uma coisa, minha mente outra. Segurei o máximo que pude, mas meu corpo tremia. Então ele subiu e achou meu cuzinho, eu me contraí e ele ficou fingindo que ia colocar um dedo, mas não fez. Aliviei, suspirei de alivio quando ele se afastou. Eu já tremia e pedia para pararem, que eu tinha dinheiro, implorei, chorei já estava soluçando quando um deles falou: - Amoreco, engole o choro senão vai ser pior, ninguém aqui esta com muita paciência.

 

 Ele começou a me comer normal, mas passou bastante gel no meu cú, até então ninguém tinha enfiado nada, só brincado. Ele gozou rápido, me machucou porque ficava soando com força e tinha um pauzão. Depois pegou o cassetete e colocou uma camisinha nele, todos ficaram rindo.. ele começou a forçar o meu cuzinho com o cassetete, eu chorei de desespero, procurei virando a cabeça alguém, um ser para me ajudar. Senti uma dor alucinante quando a cabeça do cassetete entrou no meu cu, ele foi lentamente enfiando o cassetete eu já tentava gritar, me mexia, tentava me soltar. Daí me seguraram para ficar quieta. Eu já estava delirando de tanta dor. Ele começou a enfiar e tirar o cassetete do meu cuzinho o que fazia doer mais, e cada vez ele enfiava mais, sempre devagar. 

Terminaram e todos gozaram, me deixaram jogada na tal toalha marrom,e colocaram a fita na minha boca de novo. Eu já estava cansada e arrebentada. O sargento veio com um pano úmido e colocou no meu nariz, tinha um cheiro forte, imaginei que era clorofórmio. Acordei na minha garagem com uma dor de cabeça infinita, vestida e calçada. Olhei para os lados e me mexi, senti uma dor profunda em tudo, na minha bucetinha, nos meus peitos e no meu cuzinho. Fiquei sem entender se foi um pesadelo o que aconteceu, porque estava na minha garagem. Então eu vi que no banco do carona tinha um cd e uma carta. Estava escrito: ?Para a nossa putinha querida, algumas das melhores fotos suas estão no cd. Sonhe conosco,foi inesquecível. Se abrir o bico, tudo vai para a internet, jornais, seus pais e irmãos. E lembre-se sabemos onde você mora. Assinado: Seus donos? Olhei no computador as fotos que tinha no cd e só estavam as que pareciam que eu fiz sexo consentido.

 

 

 

6 comentários:

  1. Adoro seus contos, sua voz é uma delicia, tesão demais bjs

    ResponderExcluir
  2. ya me enches de tezao com estes teus contos

    ResponderExcluir
  3. Yo tanbien queria te comer

    ResponderExcluir
  4. eu daria tudo para eles mim fuderem assim aí que delícia

    ResponderExcluir
  5. Sou doida pra ser fudida por varias piconas, mas meu marido e caretao. Ele e pauzudo, e gostozo, mas eu sempre quero mais.
    Queria ser fudida por um grupo assim

    ResponderExcluir