sábado, 25 de agosto de 2012

Contos Eróticos - O Paraplégico me chupou gostoso

O PARAPLÉGICO ME CHUPOU GOSTOSO

Olá eu sou Julia amêndoas e o conto de hoje aconteceu em uma situação inusitada, eu tenho um amigo de infância que se chama rodrigo, ele tinha sofrido um acidente de carro há alguns anos , pois combinou álcool e direção uma coisa  que sinceramente, não faço e nem saio com quem dirige bêbado, porque tenho amor a vida é ao sexo, bom rodrigo ficou paraplégico após esse acidente,  mas continuava um gato, loiro sarado e olhos claros muito  gostoso, certo dia  ele me convidou para ir em sua casa, e ele estava sozinho, chegando la ele me mostrou algumas medalhas que havia ganhando ele não deixou de praticar esportes, e não deixou d ser um tesão também.  Eu perguntei ao Rodrigo.
E as garotas Ro tem pegado muitas?
Ele disse que há muito tempo já não transava.  Então eu disse ro lembra de quando nos ficávamos juntos e você me fazia ficar doida de tesão na cama, nos bem que podíamos relembrar um pouco hoje, eu estava com uma micro saia rosa e de calcinha fio dental bem socadinha, então virei e abaixei empinei bem meu bumbum e perguntei a ele o que ele achava da minha calcinha e do meu rabo, ele disse uau continua gostosa como sempre ju, então eu disse ro tenho uma surpresa pra vc mas você tem que fechar os olhos, e por a língua pra fora, então eu puxei minha calcinha de lado empinei meu rabo e encostei minha buceta na língua dele, e disse pra ele, ro agora lambe e sente o gostinho, ele disse ummm que saudade do cheiro da sua buceta minha puta e caiu de boca, mordeu meu grelinho me deixou loquinha de tesao enquanto ele me deixava molhada com a língua , o meu cu piscava com muito tesao , então eu pedi pra ele cuspir dentro do meu cu e enfiar o dedinho enquanto lambia minha buceta, aquele cuspe escorrendo do meu cuzinho rosinha ate minha buceta uma delicia, aquela sensação eu me sentia uma putinha  bem safada rebolando meu rabinho na cara do rodrigo ele tava com muito tesao, comecei a esfregar bem forte minha buceta na cara dele , toma, seu puto vou deixar sua boca com o gosto da minha buceta cachorro safado, ele estava levando uma surra de xota na cara e estava adorando,  , e me fez gozar muito gostoso com aquela língua e aquele dedinho gostoso. E vou contar uma coisa aquela linguada e aquela dedada foram melhores do que muita transa que já tive me deixou com muito tesao. Depois  que gozei passei um guardanapo na boquinha dele pra limpar o melzinho da minha buceta e dei um beijo na boca daquele puto e disse , delicia amor você continua o mesmo  Macho tesudo de sempre.
Bom se vocês gostam dos contos eróticos em áudio se inscreva no meu canal do youtube , clique em gostei no vídeo, e deixe seu comentário, hoje eu estou doidinha por um beijinho na bucetinha será que alguém se dispõe ?

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Contos Eróticos - Meu Padrasto me Fudeu

 Contos Eróticos - Meu Padrasto me Fudeu

Meu nome é Julia amêndoas  há um tempo  eu morava com minha mãe e meu padrasto  ele tinha 38 anos era um homem muito lindo corpo escultural de dar inveja a muito menino novo eu e ele sempre nos dávamos muito bem agente tinha um papo muito aberto e então ele começou a conversar comigo sobre sexo coisas assim eu tinha muita vontade de foder pois era virgem ja era de noite estava tarde então ele foi tomar banho e eu fui para meu quarto e meu quarto era de frente ao banheiro ele deixou a porta aberta e eu encostei a porta do meu quarto e fiquei olhando ele pelas frestas da porta ele estava se masturbando naquela hora me deu um tesão total o pau dele era imenso tinha uns 21 ou 22 cm eu estava super. Excitada já minha bucetinha estava toda molhada eu não me aguentei e comecei a tocar uma siricica muito forte até conseguir gozar sozinha nunca tinha imaginado sentir tesão pelo meu padrasto ... no outro dia era sábado e eu tinha uma festa pra ir ia ter muitas amigas minhas então eu fui me arrumar coloquei uma blusa bem decotada pois eu tenho seios de dar inveja a qualquer uma e uma ultra mini saia e quando eu estava saindo ele olhou para mim de cima em baixo e disse \'\' nossa como você ta linda\'\'eu respondi obrigado vc também é muito bonito e nem precisa se arrumar muito rsrs e fui para a festa fiquei com uns 5 garotos mais sempre pensando naquele padrasto delicioso aquele pau forçando a minha xotinha quando voltei para casa ele estava acordado assistindo TV enquanto minha mãe já havia ido dormir e eu fui puxar assunto com ele falar de como tinha sido a festa até que eu disse que tinha visto ele se masturbando no banheiro e ele ficou todo sem jeito quase roxo da vergonha eu respondi não fica assim eu adorei ver aquele colosso de fora confesso que tenho uma queda por você nisso eu coloquei a mão por cima do shorts dele o pau dele ia estourar a calça tirei ele pra fora e cai de boca naquela pica deliciosa eu adorava sugar aquele pau ele disse ergueu minha blusa e começou a sugar meus peitos que delicia então deitei no sofá e tirei minha mini saia ele dizia vou te comer sua putinha deliciosa e eu adorava ele colocou aquele pau na entrada da minha xotinha e começou a bombar eu quase chorava de dor mais não estava nem ai ter aquela delicia toda dentro de mim era uma maravilha então ele começou a dar sinais de que iria gozar eu tirei pra fora e cai de boca novamente ele jorrou um mar de porra na minha boca e eu tomei aquele leite todo que delicia e foi assim que nossa relação de padrasto e enteada passou para amantes

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Contos eroticos - Fui estuprada pelos Policiais

Contos eroticos - Fui estuprada pelos Policiais

 

 Estava em casa e saí rapidamente para comprar um lanche, como não era próximo fui de carro. Como estava quente, estava de vestidinho curtinho e um saltinho. Quando estava passando por uma avenida meio escura havia uma blitz, eu fiquei tranquila, já que ando sempre certinha (documentação). O guarda me parou, imaginei que por causa do insulfme escuro do carro. Ele gentilmente me pediu a documentação, sem tirar os olhos do meu decote. Dei uma risadinha como quem diz, estou corretíssima, um minuto. Abri a bolsa e fiquei gelada, minha carteira com os meus documentos não estavam ali, como tinha saído na noite anterior e trocado de bolsa devo ter deixado na outra. Virei para o policial, muito sem graça e informei o ocorrido. Desta vez foi ele quem sorriu para mim, e pediu para que eu desligasse o carro, deixasse as chaves e descesse. Tentei desenrolar, falando que eu até tinha um dinheirinho. Ele perguntou, esta tentando me subornar ? Eu roxa de vergonha expliquei que não. Percebi que as viaturas já haviam sido retiradas na pista, e tinham uns 4 policiais olhando para mim, para o meu decote e para as minhas pernas grossas junto com o meu bumbum arrebitado. Um inclusive mordeu os lábios quando me viu. Fiquei com medo, alem de que estava escuro e pelo horário meio deserto. Ele pediu que caminhasse e o acompanhasse para me levar para o Sargento. Olhei para trás e um dos policiais entrou no meu carro gritando? vou encostar o carro dela para não ocorrer um acidente. Eu já não sabia o que pensar então o Sargento, um homem grande até bonito (em outra ocasião) ouviu toda a história e eu gelada. Então ele me disse: Suborno mocinha, você devia ter vergonha. Vou precisar te revistar. Eu sorri para ele e disse: Eu estou sem nada, nem tem como eu esconder alguma coisa. Ele: - Esta resistindo? Olhei para trás e todos os policiais estavam me olhando. Estávamos embaixo de uma arvore grande, aonde fazia mais sombra e perto de uma viatura. Ele: - Agora eu quero que você coloque as duas mãos no capô da viatura. Eu:- Vocês não podem me revistar, eu sou mulher. Apenas uma policial mulher pode me revistar !! Quando acabei a frase um policial me pegou pelos cabelos e me levou para o capô da viatura. Coloquei as mãos no capô, e estava desesperada, não sabia o que fazer. Olhei de relance para a pista e não havia ninguém passando. Senti o choro querendo sair. O sargento veio em minha direção e colocou as mãos no meu ombro, deslizando pelos meus braços, e cochichou no meu ouvido (- O que você esta escondendo ? Eu vou achar tudinho !). Colocou as duas mãos nos meus peitos (que são fartos) e apertou. Em reação tentei tirar as mãos dele de mim e me virar. Dois policiais cada um de um lado seguraram minhas mãos e me mandaram ficar quieta. Ele se agachou e colocou a mão em meus tornozelos e veio subindo por minhas pernas levantando o meu vestido. Ouvi eles se deliciando com a cena da minha calcinha toda enfiada na bunda, já que mesmo meio gordinha nunca usei calcinha grande. Ouvi um deles falando baixinho gostosa. Eu comecei a chorar, imaginei o que estava por vir, não sabia que seria pior. O sargento rui alto e falou: - Agora vou ver se tem alguma coisa aí. E novamente colocou as mãos em meus tornozelos só que na parte interna das minhas coxas subiu chegando na minha bucetinha, mesmo nervosa do jeito que estava senti um arrepio. Eles ouviram a minha respiração e um deles falou: - Olha, olha temos uma vadiazinha. Uma puta classuda. O Sargento puxou a minha calcinha e colocou sem pena dois dedos dentro de mim e gargalhou: - Meninos, a puta esta molhadinha. Traz o material aí... E continuou, senti seus dedos procurando meu grelinho e então me empurrou para deitar no capô me deixando completamente à mostra. Achou o meu grelinho e ficou mexendo nele, eu não sabia mais, meu corpo falava uma coisa, minha mente outra. Segurei o máximo que pude, mas meu corpo tremia. Então ele subiu e achou meu cuzinho, eu me contraí e ele ficou fingindo que ia colocar um dedo, mas não fez. Aliviei, suspirei de alivio quando ele se afastou. Eu já tremia e pedia para pararem, que eu tinha dinheiro, implorei, chorei já estava soluçando quando um deles falou: - Amoreco, engole o choro senão vai ser pior, ninguém aqui esta com muita paciência.

 

 Ele começou a me comer normal, mas passou bastante gel no meu cú, até então ninguém tinha enfiado nada, só brincado. Ele gozou rápido, me machucou porque ficava soando com força e tinha um pauzão. Depois pegou o cassetete e colocou uma camisinha nele, todos ficaram rindo.. ele começou a forçar o meu cuzinho com o cassetete, eu chorei de desespero, procurei virando a cabeça alguém, um ser para me ajudar. Senti uma dor alucinante quando a cabeça do cassetete entrou no meu cu, ele foi lentamente enfiando o cassetete eu já tentava gritar, me mexia, tentava me soltar. Daí me seguraram para ficar quieta. Eu já estava delirando de tanta dor. Ele começou a enfiar e tirar o cassetete do meu cuzinho o que fazia doer mais, e cada vez ele enfiava mais, sempre devagar. 

Terminaram e todos gozaram, me deixaram jogada na tal toalha marrom,e colocaram a fita na minha boca de novo. Eu já estava cansada e arrebentada. O sargento veio com um pano úmido e colocou no meu nariz, tinha um cheiro forte, imaginei que era clorofórmio. Acordei na minha garagem com uma dor de cabeça infinita, vestida e calçada. Olhei para os lados e me mexi, senti uma dor profunda em tudo, na minha bucetinha, nos meus peitos e no meu cuzinho. Fiquei sem entender se foi um pesadelo o que aconteceu, porque estava na minha garagem. Então eu vi que no banco do carona tinha um cd e uma carta. Estava escrito: ?Para a nossa putinha querida, algumas das melhores fotos suas estão no cd. Sonhe conosco,foi inesquecível. Se abrir o bico, tudo vai para a internet, jornais, seus pais e irmãos. E lembre-se sabemos onde você mora. Assinado: Seus donos? Olhei no computador as fotos que tinha no cd e só estavam as que pareciam que eu fiz sexo consentido.